Efeitos da dieta Low Carb

2019-11-19T20:18:13+00:0019 de novembro de 2019|Estrategias dietéticas|

Artigo sobre Low Carb: Escrito por Sarah Arques e Felipe Donatto

As dietas pobres em carboidratos, popularmente conhecidas na internet como low carb, também na década de 70 como a dieta do Dr Atikins, South Beach, The Zone, Poder da Proteína, são dietas que ficaram famosas pelos resultados rápidos observados na balança e medidas corporais, porém sabe-se que essa perda de peso rápida, se dá pela de redução do níveis de glicogênio muscular e hepático, que em conjunto temos água intracelular, efeitos esses já conhecidos na literatura (OLSSON; SALTIN, 1970; SCHWARCZ; BERKOFF, 2006).

Não há uma definição única como uma fórmula de bolso para se classificar uma dieta “low carb”, já que o cálculo dependeria do valor calórico total (recomendações em %) e ou do peso corporal da pessoa (recomendações em g/Kg). Uma quantidade mínima de 120-130g de carboidrato ao dia é preconizado pelo OMS para manter as funções cerebrais normais, já que é um órgão que consome grandes quantidades de glicose (DRI, 2002; DRI, 2005). Entretanto, muitas dietas very low carbutilizam a referência de ingestão total de carboidratos inferior a 70 g/dia. A tabela a baixo foi retirada de um estudo que compilou diversas meta análises sobre dietas restritas em carboidratos, de acordo com o valor energético total da dieta em relação a quantidade de carboidratos presentes na mesma (WYLIE-ROSETT et al., 2013).

Descrição de Valor Definição 2000 calorias 1500 calorias 1200 calorias
Carboidrato muito baixo 21-70 g/dia 4-14% 6-19% 7-23%
Carboidrato moderadamente baixo 30-39.9% de energia 150-200g/dia 113-149g/dia 90-120g/dia
Carboidrato moderado 40-65% de energia 200-325g/dia 150-245g/dia 120-195g/dia
Rico em carboidratos >65% de energia >325 g/dia > 245g/dia >195g/dia

Fonte: Adaptado deWylie-rosett et al. (2013) Classificação alimentar baseada na quantidade de carboidratos.Health Effects of Low-Carbohydrate Diets: Where Should New Research Go? Current Diabetes Reporffts, New York U.s. A., v. 13, n. 2, p.271-278, 2013.

Com relação a sua aplicabilidade, essas dietas são utilizadas, em geral, em pessoas com diabetes ou insulina resistentes, situação em que o organismo possui um desiquilíbrio da metabolização de carboidratos. Um estudo de corte realizado em Israel em 2015, com 800 indivíduos, entre 18 e 70 anos, saudáveis e pré-diabéticos a resposta glicêmica em dietas personalizadas. Tal estudo mediu durante 1 semana os níveis de glicêmico pós-prandial também foram avaliados parâmetros sanguíneos, antropométrico, atividade física e comportamentos de estilo de vida auto-relatados, além de composição e função da microbiota intestinal.

A pesquisa evidenciou a necessidade de dietas personalizadas visto que o consumo de uma mesma dieta por diferentes indivíduos tem resposta glicêmica variável e fatores como função da microbiota intestinal e prática de atividade física tem interferência direta nessa resposta. Assim recomendações alimentares gerais podem ter eficácia limitada. O estudo representa um importante passo em direção a nutrição personalizada, prevendo resposta ao açúcar alimentar, bem como a importância da análise da resposta individual do organismo ao alimento (ZEEVI et al., 2015).

Os resultados demonstraram alta variabilidade interpessoal na resposta glicêmica pós-prandial individual para o mesmo alimento (ZEEVI et al., 2015), sendo que usar apenas o índice glicêmico para caracterizar um carboidrato “bom ou ruim” pode ser um erro. Saber a necessidade energética total, organizar a quantidade certa de carboidrato(g) em cada refeição e ajustar a carga glicêmica de uma refeição com vegetais, gorduras e proteínas é o caminho dentro da restrição calórica necessária para a perda de peso.

Dieta Low Carb – Prós
  • Redução de peso corporal (Kg) devido a desidratação dos músculos e restrição glicídica nas primeiras semanas (OLSSON; SALTIN, 1970)
  • Há estudos de melhora da performance em atletas submetidos a dietas de baixo carboidrato, causado pelas adaptações musculares e mitocondriais dos atletas a longo prazo(BURKE, 2011).
Dieta Low Carb – Contras
  • Não há evidências da eficiência de perda de peso à longo prazo, quando comparado a uma restrição calórica tradicional (JISSN, 2017).
  • As dietas com baixo carboidrato podem desencadear cetoacidose, gerada pelo metabolismo de gorduras na falta de carboidratos como energia, podendo causar náuseas, desidratação, tontura, fadiga e mau hálito GOMES; SILVA; WAJCHENBERG, 2013);
  • Pode causar queda de desempenho físico quando feita de forma errada (MICHALCZYK et al., 2018).

Dessa forma podemos concluir que não há uma fórmula única e específica para se reduzir carboidratos da dieta, é preciso levar em consideração diversos fatores do indivíduo como um todo. Portanto podemos destacar a importância do profissional nutricionista específico para realizar a conduta nutricional adequada às necessidades individuais.

Referências bibliográficas

1. Aragon et al. Journal of the International Society of Sports Nutrition (2017) 14:16.

Acesse nosso conteúdo exclusivo e
receba as melhores dicas de nutrição esportiva!

2. BURKE, Louise M. Carbohydrates for training and competition. Journal Of Sports Sciences, Department Of Sports Medicine, Australian Institute Of Sport, Belconnen, Act, Australia, v. 1, n. 291, p.17-27, 2011.

3. Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrates,Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, And Amino Acids (2002/2005).

4. GOMES, Karla Fabiana Brasil; SILVA, Giordana Maluf da; WAJCHENBERG, Bernardo Leo. Rose Ferreira dos Santos: Maria Elizabeth Rossi da Silva. In: SAWAYA, Ana Lydia; LEANDRO, Carol Góis; WAITZBERG, Dan L.. Fisiologia da Nutrição: na Saúde e na Doença. São Paulo: Atheneu, 2013. p. 601.

5. MICHALCZYK, Małgorzata et al. No Modification in Blood Lipoprotein Concentration but Changes in Body Composition after 4 Weeks of Low Carbohydrate Diet (LCD) Followed by 7 Days of Carbohydrate Loading in Basketball Players. Journal Of Human Kinectis, Department Of Sport Nutrition, Academy Of Physical Education Im. J. Kukuczki In Katowice, Katowice, Poland., v.65,n.1,p.125-136,2018.

6. OLSSON, Karl‐erik; SALTIN, Bengt. Variation in Total Body Water with Muscle Glycogen Changes in Man. Acta Physiologica Scandinavica, From The Department Of Physiology, Gymnastik- Och Idrottshogskolan, And The Orthopedic Clinic, Karolinska Institutet, Stockholm, Sweden, v. 80, n. 1, p.8-11, 1970.

7. PERSONALIZED Nutrition by Prediction of Glycemic Responses. Israel, 2015. P&B. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=hZWLy7FLvZ4&t=144s>. Acesso em: 10 out. 2019.

8. SCHWARCZ, Joe; BERKOFF, Fran. Alimentos Saudáveis Alimentos Perigosos: Dieta Pobre em Carboidratos. Rio de Janeiro: Readers Digest, 2006.

9. WYLIE-ROSETT, Judith et al. Health Effects of Low-Carbohydrate Diets: Where Should New Research Go? Current Diabetes Reports, New York U.s. A., v. 13, n. 2, p.271-278, 2013.

10. ZEEVI, David et al. Personalized Nutrition by Prediction of Glycemic Responses. Cell, [s.l.], v. 163, n. 5, p.1079-1094, nov. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.cell.2015.11.001.